Criado durante a pandemia causada pela Covid, 19, o grupo de estudos de artes visuais intitulado Matilha propõe, nesta sua primeira exposição, refletir, por uma ótica multidisciplinar, sobre o termo que intitula o grupo sob uma perspectiva multifacetada tanto em termos de técnicas utilizadas como de abordagens.

O significado de “matilha”, nos dicionários, aponta para um “conjunto de cães, geralmente empregados para caça”. No sentido figurado, porém, define uma “reunião de indivíduos exaltados contra alguém” ou ainda “grupo de vadios, de pessoas sem ocupação nem trabalho”. No universo da Marinha, o termo define ainda um “grupo de submarinos que realizam um ataque em conjunto”.

Se tomado individualmente, cada integrante da matilha, o cão, ocupa diversos postos sociais de acordo com as distintas culturas. Em síntese, nessas vertentes, o simbolismo do cão representa um profundo e sábio conhecimento da vida humana e do além vida.

Os cães costumam ser geralmente muito retratados para indicar fidelidade, amor, lealdade e companheirismo. Portanto, pensar o tema da “matilha” permite múltiplas entradas, todas elas, de alguma maneira, viscerais, pois o assunto está “à flor da pele” dos participantes do grupo.

Oscar D’Ambrosio é Pós-Doutor e Doutor em Educação, Arte e História da Cultura, Mestre em Artes Visuais, jornalista e crítico de arte.